Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

neri-site
No comando: PROGRAMA MANHÃ 87 – LOCUTOR NERI NETO

Das 07:00 as 10:00

site-andrey
No comando: PROGRAMA CONEXÃO 87 – LOCUTOR ANDREY SALLES

Das 10:00 as 12:00

a-hora-do-forro-site-joao-bahiano
No comando: A HORA DO FORRÓ – LOCUTOR JOÃO BAHIANO

Das 12:00 as 13:00

jornal
No comando: JORNAL 87 FM NOTÍCIAS

Das 12:30 as 14:00

carvalho-de-justica-site
No comando: PROGRAMA CARVALHO DE JUSTIÇA – PASTOR JOSÉ ROBERTO

Das 13:00 as 15:00

val-silva-show-site
No comando: PROGRAMA VAL SILVA SHOW

Das 17:00 as 19:00

Brasil produz primeiro lote dos componentes da vacina russa Sputnik V

Compartilhe:
sputnik-brasil

A farmacêutica brasileira União Química concluiu a produção de um lote experimental dos componentes da vacina Sputnik V em sua fábrica em Brasília, segundo informações divulgadas pela Embaixada da Rússia no Brasil .

“Esta etapa do projeto, lançada em outubro passado, é um passo importante na transferência de tecnologia, necessária para garantir a produção da vacina russa no Brasil”, publicou a embaixada em seu perfil nas redes sociais na terça-feira (30).

O lote será integralmente enviado ao Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya, que desenvolveu o imunizante, para controle de qualidade.

No início de janeiro, a União Química recebeu material celular para fabricar a vacina e começou a produzir um lote experimental dos componentes ativos do imunizante para fins de pesquisa. A União Química, que representa o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) no Brasil, apresentou junto à Anvisa um novo pedido de registro do Sputnik V no dia 26 de março.

De acordo com a legislação em vigor, tais pedidos devem ser apreciados em um prazo de sete dias, mas este pode ser prorrogado caso alguns documentos exigidos não sejam apresentados a tempo. No dia seguinte à nova solicitação, a Anvisa suspendeu a revisão por prazo indeterminado, alegando ainda não ter recebido uma parte da documentação necessária.

Esta não é, porém, a primeira vez que a análise de uso emergencial da vacina russa no Brasil foi adiada. O presidente da União Química, Fernando Marques, havia anteriormente acusado a agência de atrasos deliberados em benefício de outros fabricantes de vacinas contra a Covid-19.

Com as informações do G1

Deixe seu comentário: