Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

neri-site
No comando: PROGRAMA MANHÃ 87 – LOCUTOR NERI NETO

Das 07:00 as 10:00

site-andrey
No comando: PROGRAMA CONEXÃO 87 – LOCUTOR ANDREY SALLES

Das 10:00 as 12:00

a-hora-do-forro-site-joao-bahiano
No comando: A HORA DO FORRÓ – LOCUTOR JOÃO BAHIANO

Das 12:00 as 13:00

jornal
No comando: JORNAL 87 FM NOTÍCIAS

Das 12:30 as 14:00

carvalho-de-justica-site
No comando: PROGRAMA CARVALHO DE JUSTIÇA – PASTOR JOSÉ ROBERTO

Das 13:00 as 15:00

val-silva-show-site
No comando: PROGRAMA VAL SILVA SHOW

Das 17:00 as 19:00

Juízes podem assumir prefeituras se eleições forem adiadas

Compartilhe:
urna-eletronica

É bem possível que, se as eleições municipais de outubro forem mesmo adiadas por causa da pandemia do coronavírus, juízes poderão assumir as prefeituras do País. Essa é uma das opções que políticos e magistrados discutem.

As alternativas estão sendo estudadas: postergar as eleições até dezembro, unificá-las com as disputas de 2022 ou realizá-las no início do ano que vem, mas sem prorrogar mandatos dos atuais prefeitos e vereadores.

Caso os mandados dos prefeitos e vereadores sejam encerrados, a linha sucessória prevê que o juiz responsável pela comarca da cidade assuma a administração

Segundo o jornal, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ), chegou a mencionar a hipótese durante uma palestra, há duas semanas. Mas a manifestação foi vista por aliados apenas como maneira de posicionar-se contra a ideia de prorrogar mandatos de prefeitos e vereadores.

No meio jurídico, a possibilidade também é vista com ressalvas. Isso porque comarcas enfrentam déficit de magistrados e excesso de processos. “Não vislumbro esse cenário”, afirmou a presidente da Associação dos Magistrados do Brasil, Renata Gil de Alcantara Videira.

Propostas para alterar a data das eleições por causa do novo coronavírus já foram protocoladas no Congresso Nacional. A cúpula do Legislativo, porém, só pretende abrir algum debate a respeito em meados de maio ou junho. Cabe ao Legislativo alterar a Constituição Federal.

Os prefeitos, todavia, fazem pressão. Preocupados em não serem politicamente afetados na reta final dos mandatos, eles desejam postergar os pleitos – com a prorrogação de seus mandatos – e colocam como contrapartida a chance de destinar o dinheiro do fundo eleitoral deste ano para ações de contenção. Os R$ 2 bilhões previstos no Orçamento estão reservados para gastos de candidatos como viagens, cabos eleitorais e publicidade.

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, rejeita qualquer mudança de data por enquanto, mas, por via das dúvidas, criou um grupo de trabalho formado por técnicos da pasta para avaliar, semanalmente, os impactos da crise no calendário eleitoral. A primeira reunião do colegiado está prevista para esta terça-feira (14).

fonte: Caldeirão Político

 

Deixe seu comentário: