Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

neri-site
No comando: PROGRAMA MANHÃ 87 – LOCUTOR NERI NETO

Das 07:00 as 10:00

site-andrey
No comando: PROGRAMA CONEXÃO 87 – LOCUTOR ANDREY SALLES

Das 10:00 as 12:00

a-hora-do-forro-site-joao-bahiano
No comando: A HORA DO FORRÓ – LOCUTOR JOÃO BAHIANO

Das 12:00 as 13:00

jornal
No comando: JORNAL 87 FM NOTÍCIAS

Das 12:30 as 14:00

carvalho-de-justica-site
No comando: PROGRAMA CARVALHO DE JUSTIÇA – PASTOR JOSÉ ROBERTO

Das 13:00 as 15:00

val-silva-show-site
No comando: PROGRAMA VAL SILVA SHOW

Das 17:00 as 19:00

Policial violou regras e Código de Ética em prisão de George Floyd

Compartilhe:
floyd-and-chauvin

O ex-policial Derek Chauvin quebrou as regras e o Código de Ética do Departamento de Polícia de Mineápolis, que pregam a “santidade da vida”, na prisão de George Floyd em maio do ano passado, segundo o depoimento do chefe de Polícia da cidade no julgamento de Chauvin por homicídio nesta segunda-feira (5).

“Não é parte do nosso treinamento, e certamente não é parte de nossa ética e dos nossos valores”, afirmou o chefe Medaria Arradondo ao júri, enquanto os promotores tentavam desconstruir um dos pilares centrais da defesa de Chauvin.

Arradondo disse que ficou chocado quando, algumas horas após a prisão, viu pela primeira vez o vídeo de uma testemunha que mostra Chauvin, que é branco, ajoelhando-se no pescoço de Floyd, um homem negro de 46 anos que estava algemado, por mais de 9 minutos. O vídeo provocou protestos no mundo todo contra a violência policial.

Chauvin se declarou inocente diante das acusações de homicídio doloso e culposo. Os promotores convocaram Arradondo e outros policiais para enfraquecer a defesa de Chauvin, que alega que ele fez apenas o que foi treinado para fazer em seus 19 anos como policial.

Arradondo, que em 2017 se tornou a primeira pessoa negra a chefiar a força policial da cidade, demitiu Chauvin e mais três oficiais que estavam envolvidos na prisão que resultou na morte de Floyd.

Ele também criticou duramente Chauvin em declaração no ano passado, dizendo: “Isso foi assassinato – não foi falta de treinamento.”

Agência Brasil

Deixe seu comentário: