Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

neri-site
No comando: PROGRAMA MANHÃ 87 – LOCUTOR NERI NETO

Das 07:00 as 10:00

site-andrey
No comando: PROGRAMA CONEXÃO 87 – LOCUTOR ANDREY SALLES

Das 10:00 as 12:00

a-hora-do-forro-site-joao-bahiano
No comando: A HORA DO FORRÓ – LOCUTOR JOÃO BAHIANO

Das 12:00 as 13:00

jornal
No comando: JORNAL 87 FM NOTÍCIAS

Das 12:30 as 14:00

carvalho-de-justica-site
No comando: PROGRAMA CARVALHO DE JUSTIÇA – PASTOR JOSÉ ROBERTO

Das 13:00 as 15:00

val-silva-show-site
No comando: PROGRAMA VAL SILVA SHOW

Das 17:00 as 19:00

Suspeito de matar PM em Mesquita confessa ter atirado

Compartilhe:
pm

Um dos suspeitos presos pela morte do cabo da Polícia Militar Derinaldo Cardoso dos Santos, na sexta-feira (4), em um assalto em Mesquita, na Baixada Fluminense, confessou que atirou no policial. Segundo os investigadores, Jonathan Targino e um comparsa foram encontrados escondidos em um imóvel na Vila Kennedy, na Zona Oeste do Rio, no último domingo (6).

Até esta segunda (7), três suspeitos de envolvimento no caso foram presos. No mesmo dia do crime, Jhonny Silva Quirino da Cruz foi preso como um dos suspeitos. Um homem está foragido.

O corpo do policial foi enterrado sábado (5) no cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Oeste do Rio.

Derinaldo, de 34 anos, trabalhava no 20º Batalhão e chegou a ser levado para o Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI) em estado gravíssimo e passou por uma cirurgia de emergência. Ele estava internado no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) da unidade e não resistiu aos ferimentos.

O cabo Cardoso, que completaria dez anos na corporação no próximo mês, deixa esposa e dois filhos.

Outra pessoa que estava na loja chegou a ser baleada na coxa, mas foi medicada e recebeu alta.De acordo com a Polícia Militar, os bandidos fugiram e chegaram a roubar um veículo da prefeitura da cidade, levando os ocupantes reféns. Mais tarde, eles foram liberados e o carro abandonado pelos criminosos na Avenida Brasil, na altura de Realengo.

Ainda na noite de sexta, policiais militares receberam a denúncia de que a arma usada no crime estava escondida em uma localidade em Padre Miguel, na Zona Oeste do Rio. No endereço indicado, os agentes encontraram um revólver calibre 38 com numeração raspada e cinco munições.

No sábado (5), o cabo Douglas Constantino Barbosa também foi morto. Ele estava de folga em um bar em Nova Iguaçu quando foi morto por homens encapuzados, que saíram de um carro já atirando contra ele.

Desde o começo do ano, 44 policiais militares foram mortos no Rio de Janeiro.

fonte: G1

Deixe seu comentário: